domingo, 16 de maio de 2010

As palavras e os odores


Quero deixar aqui, hoje, um agradecimento extremamente grande à vaga de calor que assola actualmente o nosso país e que promete continuar, sem a qual não seria possível voltar a ver mini-saias e tops personalizados que nos fazem desejar ter novamente dois meses de idade.
Com o calor, vieram também as cores quentes da benetton. Consegue-se ver a cor nos corpos e cidades, jardins e objectos, o verde alegre, vermelho vivo, o azul sonhador. Os sorrisos brotam mais facilmente, os olhos brilhão mais e as pessoas são mais simpáticas, as palavras saem mais agradáveis ao ouvido como notas musicais...
De facto, tenho vindo a aperceber-me que as palavras (como tudo o resto na vida) têm cores e odores e até sabores característicos, sendo que a simples recordação de algumas me causa cãibras no cérebro, enquanto a pronúncia de outras se revela tão saborosa como morangos embebidos em vinho do porto.
Às vezes dou por mim, a apreciar uma conversa, determinadas palavras e o modo como elas se expressam, de forma tão perfeita, os pensamentos e emoções de cada um. Podem provocar um sorriso ou levar as pessoas a um mar de lágrimas. Deve ser por isso que gostamos mais de falar com certas pessoas do que com outras - algumas palavras soam e cheiram e sabem melhor do que outras, e nem toda a gente consegue, na mesma frase, ressoar como as ondas do mar, exalar o perfume da pele de um bebé e deixar-nos na boca o travo doce e suave de um pêssego maduro. Tal como existem pessoas que não aproveitam a variedade cromática das palavras e falam sempre em tons de cinzento ou azul ou vermelho, tornando-se tão aborrecidas que acabam geralmente a falar para o boneco.
Eu, por mim, gosto de pensar que consigo variar um bocado e que palavras como "caralho", "nostalgia" e "magnífico" não causam cãibras cerebrais nos meus leitores...

Welcome to Wonderland

Rikardo

10 comentários:

  1. "nem toda a gente consegue, na mesma frase, ressoar como as ondas do mar, exalar o perfume da pele de um bebé e deixar-nos na boca o travo doce e suave de um pêssego maduro. Tal como existem pessoas que não aproveitam a variedade cromática das palavras e falam sempre em tons de cinzento ou azul ou vermelho, tornando-se tão aborrecidas que acabam geralmente a falar para o boneco."

    Gostei tanto, tanto! É das coisas mais verdadeiras que ja ouvi! Nao faço ideia de como falas, mas a escrever, tu escreves de TODAS as cores!!!
    Parabens ( outra vez) ^^

    ResponderEliminar
  2. Catarina
    Bem eu a falar? agora que falas nisso, nunca parei para analisar, mas primeiro tenho uma voz estupida, lanço perdigotos, e digo muitos palavroes!
    Na escrita é outra materia! é outra parte de mim! ;)

    Obrigado!

    ResponderEliminar
  3. Ui, deste-lhe com força neste. Sim senhor. Bem, este texto não me surpreendeu, todos os teus textos me deixam a viajar no tempo. Este não foi excepção. Aproveito desde já, para te dizer que, morangos e vinho do porto, não combina. Prefiro chantily.
    Eu adoro pessoas que saibam falar. Fico assim... apaixonada. "Platonicamente", claro está. :)
    (E já agora, se tu falares como escreves, depois eu deixo-te aqui a minha morada.) :)
    Adenda- Gostei muito do texto.

    ResponderEliminar
  4. Sara
    Morangos com chantily tambem é optimo! ;)
    Ainda bem que gostastes do texto, deixas a tua morada?
    Eu ja me contentava com o sobrenome! :/
    beijo

    ResponderEliminar
  5. Luna
    Os sons? nao percebi desculpa, perdoa a minha ignorancia.
    kiss

    ResponderEliminar
  6. Patricia
    Nao tenho tido tempo para fazer o que quer que fosse!
    Mas voltei este fim de semana em força

    ResponderEliminar