sexta-feira, 21 de maio de 2010

Quando for grande vou ser feliz


Não gosto do obvio, nem muito menos de pessoas obvias. Prefiro o suspense, misterio, enigma.
Não gosto da claridade nem da escuridao, perfiro a penumbra.
Não sei porque sou assim, mas quando me tento entender, movo-me em intervalos de silencio, paro nas portagens da lembrança e mergulho nas aguas mais profundas da minha infacia, talvez o único tempo da minha vida onde pude gritar de alegria, talvez o único tempo onde pude ter um sorriso desde o acordar ao adormcer, talvez o único tempo onde via o mundo em contrastes,o azul do céu, o verde dos campos, e o amarelo do sol, agora so vejo o mundo a preto e branco, talvez o único tempo, talvez, talvez um ultimo suspiro de vida.
È no embolar destas palavras que nos entende-mos, qual é a graça de ser adulto?
Prefiro adormecer e nunca mais acordar, adormecer e sonhar com o Peter Pan e sorrir mesmo mesmo quando era suposto estar triste, porque todos nós merece-mos ser eternos!
Mas enquanto a ultima hora não chega, brinco a chamar as estrelas pelo nome.
Será que deixarei saudade? O que levarei comigo?

A recordaçao daquele que um dia ousou sorri ao mundo, mas o mundo não lhe retribuiu o sorriso.

Rikardo

9 comentários:

  1. Já tinha saudades dos teus textos,mas mais de ti.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  2. Tambémja tinha saudadesde escrever, e dos meus leitores!
    obrigado
    beijo

    ResponderEliminar
  3. Aquilo ali em cima, foi um lapso. :)
    Bem, eu também gosto de suspense, de mistério e coisas que tais, desde que não se enrolem por muito tempo porque deixa de ter piada.

    E já agora, não penses que é só na infância que as pessoas sorriem de manhã à noite.
    Eu não troco um sorriso da vida adulta (mesmo que dure meros segundos) por um sorriso de um dia inteiro da infância. Hoje, quando sorris, é sincero. Antes era aquela alegria sintética. Ficavas feliz por tudo e por nada. Agora é tudo muito mais real, mais sentido.
    Que piegas. Bolas.
    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Catarina
    Ainda bemque gostastes! ^^
    Fico contente por saber.

    ResponderEliminar
  5. Sara
    Eu sei que um sorriso é sempre um sorriso, independentemente da idade.
    Mas na infancia é diferente, imagina, na idade adulta sorris agora mas daqui a 5 minutos o sorriso desaparece, porque tens que pagar a conta da luz, na infancia sorris porque nada pode correr mal... é tudo tao simples e colorido!
    mas bom, nao ligues ao que escrevo, nem ao que digo! :)
    beijo

    ResponderEliminar
  6. Oh Rikardo, até podes ter razão. Mas como eu disse, era tudo muito sintético. Sorrias porque nada corria mal. E sorrir era um hábito. Daí eu dizer que quando sorris agora, é porque estás realmente feliz. É porque tens uma razão forte para sorrir. Tu já não ficas extremamente feliz quando te dão um rebuçado, pois não? Precisas de algo mais forte(digo eu). Eu quando vejo as contas para pagar, rio-me, porque não vale a pena chorar e vou receber estas contas chatas, até... sei lá... até morrer.
    (Eu ligo ao que tu dizes, porque até dizes umas coisas acertadas).
    Beijo

    ResponderEliminar
  7. Sara
    Vai do ponto de vista e da personalidade de cada um! ;)
    Tu tambem dizes umas coisas acertadas!
    beijo

    ResponderEliminar