segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Devo-te a vida III




Na realidade, ninguem fica igual após passar pelas fileiras operacionais do Exercito.
Tanto a nivel psicologico como a nivel comportamental o individuo nao concegue integrar-se na sociedade como outra pessoa qualquer o conceguiria.
As pessoas cá fora só fazem dois tipos de perguntas; parvas ou muito parvas.
- Andas a lutar na guerra dos outros, achas que és o quê? heroi? ou assacino?
Tive de dar uma passa muito calma no cigarro, e deitar-lhe o fumo para a cara e depois dizer:
- Não, nao somos assacinos, somos soldados.
E só aqueles que por lá passaram percebem isso, só eles percebem porque é que o diabo marcha conosco, é ao recordar esses momentos que as lagrimas vêm aos olhos, e ai, a garganta debita, mas as vezes é bom lavar a alma.
um gajo fecha-se (porque nao ha a minima identificação com as pessoas), e os amigos contam-se pelos dedos.
Na maioria dos casos os antigos militares depois de sair do exercito procuram trabalhos de segurança e afins, tantando dar continuaidade á acção que os envolvia, ou á espera que adrenalina seja bombeada da mesma forma que era outrora. Dado que se andou num patamar que está muito, mas muito acima, do comum dos mortais o individuo nao se concegue integrar em qualquer uma area profissional. Ninguém precisa de ir para a tropa para ser homem, mas muitos homens só se descobrem na tropa. Eu nunca conheci, lá Rambos, lembro-me sim de lá ver homens, com uma força mental enorme e isso é o mais imporatante porque é sempre a primeira a estoirar.
No que me diz respeito, (so posso falar por mim) e assumo-o sem problemas, considero-me apto para viver em sociedade, mas estou consciente que continuo diferente do comum dos homens : constituir familia, trabalhar num ambiente fechado tipo num escritorio ou numa fabrica, passear a familia aos fins-de-semana, têr um peixinho no aquario...nao é para mim !
Tenho aspiraçoes bem diferentes dos "homens comuns" : comprar uma quinta, ou entao ir viver para uma ilha, bem afastada da civilizaçao consumista e matrialisa e assim passar o resto da vida ao ritmo da natureza e sobretudo em liberdade ... e esforço-me para que um dia possa ser assim (e sem chatear ninguem) ... um dia !

"Um homem pode fazer muitas coisas com a mãos, plantar uma arvore, escrever um livro, contruir uma casa, mudar a fralda a um filho, uma coisa é certa as suas maos nunca esqueceram o peso da sua arma" Jarhead

A tropa esquece o soldado mas o soldado nunca esquece a tropa.


Rik

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Há noites assim



Que mulher nunca comeu uma caixa de bombons por ansiedade, uma alface ao almoço por vaidade ou um otário por saudade?

Eva

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Gostos




Gosto dos venenos os mais lentos
As bebidas mais fortes
Dos cafés mais amargos
E os delírios mais loucos.
Podes até empurrar-me de um penhasco
que eu vou dizer:


eu adoro voar!

Eva

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Dias de revolta



Este texto contém linguagem que pode ferir a sensibilidade dos leitores mais sensíveis.

Um dia entediante estava-se apoderar de mim.
Entretanto perguntam-me no que me podem ser útil.
- Claro que me podes ser útil, sua inútil... Apetecer-me matar-te, agora!!
-Admirada responde ela:
- Estás-te a passar?
- Hó anda lá, deixa-te de merdas, prometo causar-te o máximo de dor que a minha imaginação permita, sim?  Sabes há muito tempo que me apetece esfolar alguém, ando deprimido. Depressão é uma merda moderna e eu estou a começar a ter isso. Na verdade pouca coisa me diverte. Não me interessa quem me rodeia, e se morrerem todos? Espectacular..(solta gargalhada)
Deixas não deixas? Hum…
eu bem sabia, que um dia me serias útil. Vá la não temas, prometo não te causar dor superior à que me causaste a mim e as outras pessoas

Lets fun?

Continu-o:
- De facto, hoje é um dia glorioso, só matar alguém me fará sorrir... Quero tanto roubar-te a vida, ouvir o teu último sopro de vida ao meu ouvido.
Quero que sintas o gelo da morte apoderar-se no teu coração. Só quero que sofras... muito. Não quero que morras com um único e mortal corte na garganta, não, isso não, isso é rápido de mais e não me dá tesão. Quero que morras de dor. Dor é bom!
Isto vai ficar claro, mesmo a teu lado, morres sozinha porque não te acompanho. Sozinha como sempre estiveste, ok? Desta não sabias pois não, esquece la os teus falsos amigos agora. Só me tens a mim e eu sou a pedra no teu sapato que sobreviveu para te afrontar...

Vah senta-te ai á minha frente, sem tremeres. Prometo que só farei o que mereces, e sabes como eu sou generoso, não sabes? Sempre fui, ate partilhei aquela puta contigo, ou achas que eu não sabia que tua andavas a comer ás escondidas?

.. Queres saber o que vou fazer? Eu explico-te. Começo por arrancar-te as unhas com um alicate, vá lá,  não grites agora!! , alias não tens autorização para gritar ok? finalmente acabo com o teu problema de unhas encravadas. Não podes gritar mas, podes agradecer-me pela honra de conhecer alguém tão generoso como eu.
Ah... eu adoro criaturas mentirosas e que me julgam burro, na verdade sou mais inteligente do que possam pensar. E tu agora sabes que sou...
Sabes eu não sou mau, as pessoas é que me irritam.  Tal como aquele teu gato que me irritou quando tinha-mos 5 anos... felizmente eu tinha a navalha do meu pai e o jantar era coelho. Ainda hoje lá em casa relembram esse manjar, nunca tive jeito para a cozinha, mas esse ficou uma delicia.
. Só tenho uma pequeno problema em controlar os meus ataques de raiva, mas sou uma pessoa simpática. Juro que sou.

Fazes o favor de dizer às pessoas como sou gentil? Não? Ok... então vou prender a tua mão direita, já sem unhas, naquela gaiola com ratazanas famintas. Sim pensei em tudo, foi dificil para as encontrar, e depois tive de as deixar á fome.  São tão queridas estas ratazanas, não eras tu que gostavas de ratinhos tipo hamester? Pois estas ratazanas são as mesmas que comeram o teu hamster querido.

Ho por favor não grites, quando estou deprimida doí-me a cabeça.
Cala a puta da boca ó puta desdentada. Por acaso é uma coisa que me irrita em ti, tens poucos dentes... assim não tem piada arrancar os que te restam. Como tal arranco-te a língua!

Tu sabes, eu adoro lâminas, lembras-te quando me cortava ? whatever, olha tens a vacina anti-tétano em dia? É que especialmente para ti, uso uma lâmina com ferrugem. Adoro o cheiro a ferrujem, é inebriante, o aroma do cobre oriundo do sangue seco com a ferrugem é algo que me excita.
Sorri para esta lâmina, seu filho da puta vadio, ela tem uma história bem mais nobre que a tua, monte de esterco. Portanto, venera-a. Esta é a tua derradeira oportunidade de mostrar respeito por algo.

O teu último fôlego será o meu regresso à vida. Não gosto de mentir a ninguém, acho demasiado patético aqueles cromos que dizem "Se fizeres o que quero, não morres". E morrem sempre. É muitíssimo mais interessante ser-se sincero e tu hoje vais-te foder.

Olha e dá cumprimentos meus ás tuas amigas todas que estão no inferno, espero que lá haja lojas com roupas de marca.
Sabes que mais? ficas deslumbrante sem língua. A tua cavidade bucal é agora uma gruta de onde brota a água da vida ou será sangue?. Quero que digas o meu nome em alto e bom som.
Anda lá sua puta eu cortei-te a língua não as orelhas! Diz o meu nome completo em alto e bom som, já! Não? Será que precisas de um incentivo? Bom, como sou boazinha preparei para ti um lanche á la francese. Sabes o que é? A tua língua embebida em conhaque... e flambeada. Se estiver muito quente diz. Ups... esqueci-me de apagar as chamas... Fecha a boca e não respires, sem oxigénio as chamas extinguem-se.

Hum... cheira-me a chamusco. Que giro faltam dois dedos da mão direita... agora diz-me: mesmo sem eles ainda os sentes? Sempre quis saber se a síndrome do membro fantasma existe realmente.
Não percebo porque te recusas a falar comigo, que infantil!

Vai para a banheira, está lá água bem quente. Pronto, vou ser sincera a ferver. Ao menos perdes essa palidez. Só penso no teu bem e tu sempre com maus modos para comigo? Os teus pais não te deram educação? Credo
Água a 95º, perfeito. Não queremos que se evapore, certo? Como sei que gostas destas mariquices trouxe-te um pequeno este delicado sal de banho. Vai lavar-te o corpo e a alma. Pelo menos na drogaria disseram-me que soda caustica derrete tudo, portanto deve derreter todos os teus males e pecados.
"The roof, the roof, the roof is on fire"... Cantava eu enquanto a polvilhava com aquele divinal sal. Lindo.
Voltas a gritar e juro que te faço uma maldade amor.

Eu aviso mas, as pessoas nunca acreditam em mim, com esta cara angelical, nunca vão acreditar que sou capaz de fazer tais coisas.
Ela voltou a gritar, então tive de tomar uma atitude. Apaguei o meu cigarro no olho esquerdo dela. E devo dizer que é um bom principio, visto a beata não ficar a deitar fumo. Voltou a gritar. Dirigi-me à fogueira que alumiava a minha boa alma e peguei num ferro em brasa. Furei-lhe o outro olho com esse pontiagudo ferro incandescente. Curioso, parecia que estava a estrelar um ovo. O som era idêntico.

Oiço alguém bater à porta do armazém.

Era o Rikardo, finalmente! Se é para matar o Rikardo está automaticamente na jogada. Tiramos aquela puta da banheira, atiramo-la para cima de uma cama da pregos e lâminas. Não sei se ainda sentia dor, obectivo era ela passar por todos os nossos brinquedos. Os olhos do Rikardo brilhavam de maldade, ele não hesitou, pegou no agrafador. Sem demoras agrafou-lhe os lábios. Lambeu-lhe os lábios, riu... e cuspi-lhe para a boca.
Eu batia palmas… lindo
Ela ainda respirava e finalmente parava de gritar aos poucos. Foi então que comecei por lhe arrancar os dedos dos pés com um alicate. Adoro a época medieval, sobretudo uma arma que usavam na altura a Besta. O rikardo agarrou-lhe nos lábios vaginais, oi o que restava deles, na entrada da sua vagina coloquei um pequeno saco de cabedal com 500 euros dentro. Disparei a Besta e os 500 euros penetraram-na profundamente. Olhei para o Rikardo, e em simultâneo soltamos uma violenta gargalhada.

"Welcome to the jungle" cantamos o mais alto que conseguimos.

O que sobrava daquela puta, despejamos num saco do lixo de 50L. Ambos o puxamos rua fora até três sem-abrigo que se aqueciam junto a uma fogueira. "Aqui está o vosso jantar! Quem procurar bem vai encontrar 500 euros dentro de um saquinho de cabedal. Feliz Natal!", disse-lhes sorrindo.

Continuamos a andar rua fora, e já sentíamos o cheiro a carne assada. Rikardo do alto da sua ironia disse: "Não é que só morta aquela puta se tornou útil? Hoje vão dormir de estômago cheio! ahahahahahaha".
Já não me sentia assim feliz desde que ví o filme, “o massacre do Texas”

Chegamos ao fim da rua, e chama-mos um taxi. Entramos no carro e eu disse: "Hoje vamos comer carne mal passada. Pagas tu Rikardo, faço questão!".

P.S.: quantas vezes teremos de repetir o ritual para sermos recebidas de braços abertos no inferno?

Fuck the people

EVA
Di
Mentak break

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Chose the life



Quero a vida simples
Sem luz, Sem cor, Sem voz
Quero o silêncio da madrugada a posar para mim.
Quero ouvir musica em vinil
Quero as historias á lareira
Quero os bons momentos em camera lenta
Como ainda ontem passavam
Quero injectar grandes doses de boa musica
Quero andar nú e sem vergonha
Quero risadas abertas
Quero chegar sem pressa do costume
Quero afogar-me em elogios
E depois quase noite, entre beijos e um café
Quero os segredos inconfessáveis
Quero os vossos abraços
Quero um lagrima por mais um dia que passou
Quero durmir
De manhã…
E na pele sentir tudo de novo
O frio, o medo e o beijo
Quero fingir que estou triste

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Hoje



- Garçon, uma dose de amnésia e duas de desapego por favor..
- Vai uma de amor também?!
- Não, não. Hoje não, fica para outro dia!

Eva

domingo, 7 de novembro de 2010

Defenições



Se eu a formulasse, a minha definição de obra de arte seria: «Uma obra de arte é um ângulo da criação vista através de um temperamento»

- Émile Zola

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Porque hoje é agora



Pela minha curta existencia, penso muito sinceramente que existe somente uma idade para a se ser feliz, apenas e somente uma época na vida de cada pessoa em que é possível sonhar e fazer e traçar planos.
Ter energia bastante para realizá-los e ter a força e coragem para enfrentar
todas as dificuldades e obstáculos.
Uma só idade para nos poder-mos encantar com a vida e viver apaixonadamente
e desfrutar tudo com toda a intensidade, sem medo, nem culpa de sentir prazer.
Fase dourada em que se pode criar, modificar e recriar a vida, á nossa própria imagem e semelhança, vestir-se com todas as cores e experimentar todos os sabores e entregar-se a todos os amores sem o minimo de preconceito nem pudor.
Tempo de entusiasmo e coragem em que todo o desafio é mais um convite à luta
que se enfrenta com toda a disposição.È tentar algo NOVO, de NOVO e de NOVO,
e quantas vezes for preciso.
Essa idade tão fugaz na vida das pessoas
chama-se PRESENTE
e tem a duração do instante que passa. Aqui, hoje e agora…
Porque te amo mais que ontem e menos que amanhã.

Rik